Constelação Familiar

A constelação familiar, desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger, é um tipo de abordagem que tem como ponto de partida o pertencimento de cada indivíduo a um sistema, a uma família. A terapia é aplicada considerando os padrões familiares que se repetem ao longo de gerações, e como o indivíduo pode estar atuando mais em função da consciência familiar do que da própria. Se  pauta pela necessidade de haver equilíbrio em todas as relações, o que gera respeito e igualdade de condições.

Como funciona a constelação familiar?

Na constelação familiar a pessoa expõe a situação ao psicólogo, como um problema com o filho, por exemplo. Então o profissional se centrará em informações importantes a respeito do entorno familiar, como doenças graves, mortes precoces, suicídios, casamentos, separações, número de irmãos e filhos, entre outros.

Pode ser realizada individualmente, utilizando bonecos que representam as pessoas da família ou em grupo, quando pessoas são convidadas a representarem cada indivíduo e involuntariamente passam a  assumir o sentimento e o comportamento da pessoa dentro da família.

A ideia é que a pessoa consiga ver a própria situação representada diante de seus olhos. Porém, de uma forma que ultrapasse a ótica pessoal e chegue à análise do todo.

Quem pode recorrer a constelação familiar?

A constelação familiar é conhecida como um método de "mudança de consciência". Isso porque faz com que a pessoa deixe de se ver como uma vítima ou juiz em uma situação e passe a entender a responsabilidade de seus atos no processo, que podem causar danos. Ou seja, amplia a capacidade de interpretação e leitura do mundo ao redor.

É indicada para trabalhar as relações interpessoais, nos seus mais variados contextos, entendendo a pessoa como parte integrante de um grupo, tais como:

  • relações entre membros da família;
  • relações interpessoais em empresas;
  • relações no ambiente educacional;
  • relações em comunidades.